Ao longo do último ano, provou-se fundamental que o profissional de recursos humanos se encontre em um estágio de maturidade da estratégia de gestão do capital humano, sendo capaz de transitar bem pelas mudanças nos processos de atração, admissão, integração, treinamento, preparo da liderança e cultura organizacional.

Segundo Sergio Margosian, Gerente de Recrutamento especializado em RH na Michael Page e Page Personnel, é preciso se adaptar a mudanças para seguir dentro da linha da competitividade que o mundo corportativo demanda. “Fiz uma pesquisa com as empresas sobre seus investimentos na área se recursos humanos e 69% delas confirmaram que estão investindo em inovação e na transformação digital. Somente 11% afirmaram já ter um RH Digital e 15% disseram que não estão preparadas e nem investindo. Os investimentos em tecnologia têm sido em CRM, sistemas de gestão, plataformas de EAD etc.”, conta Ana Borges, Gerente de Recrutamento especializado em RH na Michael Page e Page Personnel.

Recrutamento e Seleção

A Page tem experiência na condução de processos seletivos online, com entrevistas técnicas e comportamentais, ferramentas de assessment, fit cultural e outras avaliações que permitem que o recrutamento aconteça de maneira segura e personalizada para empresas e candidatos. Tal fator posiciona a Page à frente de outras empresas que estão familiarizadas com essa prática, assim acrescentando mais uma vantagem para companhia. “Nosso papel foi de explicar como funciona e até mesmo fazer benchmarking das vagas fechadas para que as empresas entendessem a seriedade do processo remoto”, conta Ana Borges. 

“No fim das contas, não é simplesmente apresentar uma ferramenta, mas participar de uma transformação digital. Em toda crise, temos que rever o que fazemos, revisar processos, dos mais básicos até as dinâmicas mais estratégicas, entender em detalhes as questões básicas e as dores de cada empresa e mercado. Aqui na Page, nosso trabalho de recrutamento está sempre apoiado em três pilares: pessoas, processos e cliente”, explica Sergio Margosian.

Admissão de novos colaboradores

A admissão digital é um grande avanço da tecnologia sendo aplicada na área de recursos humanos. Quanto mais tempo leva para um profissional ser admitido, mais ele demora a exercer sua função. Nesse sentido, o digital agiliza o processo de admissão, facilita a rotina de contratação do novo colaborador e melhora sua experiência de entrada na empresa.

Vivemos a era dos dados, das integrações, da automação e da inovação. Há cada vez mais provedores, operadoras de serviços digitais e HRTechs para toda a cadeira de recursos humanos com ferramentas, plataformas e sistemas para atender as necessidades da área permanentemente, assegurando os cumprimentos das obrigações legais e fiscais. “A adoção de ferramentas para certificação digital de documentos, por exemplo, acelerou o processo de início do candidato”, diz Ana Borges.

Integração de profissionais a distância

A integração a distância agiliza a chegada dos novos colaboradores independentemente da data de admissão, padroniza as informações transmitidas e supera barreiras geográficas. Há uma grande variedade de propostas e formatos para apoiar uma integração virtual.

“Foi desafiador para muitos executivos de recursos humanos que não tinham esse processo mapeado. A integração ia acontecendo on-the-job em conversas informais. Ter um processo de entrada mais estruturado faz diferença para o candidato que está chegando na empresa e para o sucesso da contratação”, alerta Ana Borges. “Além disso, estamos falando de responsabilidades compartilhadas. O RH da empresa monta o programa de integração, o líder deve garantir um bom início e o profissional deve ser autônomo o suficiente para buscar aquilo que lhe falta. O onboarding não foi bom, o que você fez? A empresa não oferece ainda um processo estruturado, o que você pode fazer como líder?”, reflete Sergio Margosian.

“O nosso processo de onboarding aqui na Page teve uma aceleração digital também. Com ainda mais interação com os líderes e a transferência do on-the-job para a educação a distância, fez com que pessoas se tornassem referência em determinados temas e o programa que era local passou a ser global”, conta Ana Borges. O importante para sucesso da experiência online é criar uma proposta personalizada para esse meio em vez de tentar reproduzir o treinamento presencial.

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento é mais uma frente de RH com responsabilidades compartilhadas. “O desenho e a estrutura de T&D vem de recursos humanos, a liderança assume um papel ativo no acompanhamento das necessidades da área frente a estratégia do negócio e o profissional deve saber pedir o que precisa no dia a dia”, explica Ana Borges. 

  • O RH deverá rever seus programas e trilhas de aprendizagem para atender melhor às necessidades atuais, conhecendo muito bem o negócio, o cliente interno, o cliente externo etc. para entregar a capacitação que os profissionais precisam. A educação a distância têm um alcance maior de pessoas e esse aumento no número de usuários na base de dados também vai exigir mais acompanhamento do RH e foco na experiência do colaborador como aluno.
  • É papel do líder estimular o senso de pertencimento em seus liderados, trabalhando os valores da cultura organizacional e o propósito - ou criação dele - para dar sentido às tarefas e projetos. Isso refletirá em diversidade, retenção, engajamento das equipes e performance. 
  • O colaborador deve fazer uma busca autodirigida pelo conhecimento e formação necessários para o seu desenvolvimento profissional, sendo protagonista da própria carreira, especialmente em um momento de maior complexidade.

O profissional de Recursos Humanos vai ter que estar afiado em todas essas linhas de atuação. Dentre as posições em alta para 2021 estão Recrutamento & Seleção, Treinamento & Desenvolvimento e Business Partner.

Confira as posições abertas para RH na Page Personnel
 

iOS App Store logoAndroid Google Play logo